Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, de J.K Rowling

É o terceiro ano de Harry na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts e mais uma vez ele e seus amigos irão se meter em grandes aventuras.


“Pode se encontrar a felicidade mesmo nas horas mais sombrias, se a pessoa se lembrar de acender a luz.” 

Título: Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban
Autora: J.K Rowling
Páginas: 318
Editora: Rocco

Neste volume encontramos um Harry mais rebelde que nos anteriores. Ele não atura mais o tratamento que recebe dos tios e chega a fugir de casa. Mas, o que ele nem desconfia é que outro fugitivo está atrás dele.

No terceiro livro da série somos apresentados ao bruxo Sirius Black, o primeiro fugitivo da prisão de Azkaban (vulgo prisão dos bruxos). Esta é guardada por seres denominados Dementadores, que tem o poder de sugar toda a alegria e felicidade da pessoa, deixando-as para enlouquecer perdidos em pensamentos tristes. Este efeito é definitivamente a personificação da depressão. Aos poucos Harry vai descobrindo que Black além de ser seu padrinho é também culpado pela morte de seus pais, pois teria ajudado Lorde Voldemort.

Além de ter que estudar para as provas, tentar sair clandestinamente para uma viajem à Hogsmeade, defender o título de Quadribol, e tentar entender o que está sentindo por Cho Chang, Potter tem que lidar com os Dementadores e todo o sentimento que sente ao olhar para eles.

O enredo de “Prisioneiro de Azkaban” é muito bem desenvolvido, talvez o mais de toda a série. J.K nos mostra o verdadeiro significado de amizade e lealdade mostrando o passado dos pais de Harry e sua amizade com Rony e Hermione. E também a perseverança de Potter em conseguir aprender o único feitiço que pode manter os Dementadores longe dele, o Expecto Patronum.

Há também o novo professor de Defesa Contra Artes das Trevas, Remo Lupin, que finalmente está fazendo o papel correto que um professor desta disciplina teria que fazer. Preciso comentar que ele é o meu professor favorito. J.K Rowling conseguiu fazer mais um personagem amável. E é ele também que ajuda Harry neste novo feitiço.

Impossível não falar o quanto eu amo esse livro. É nesse volume que somos apresentados ao padrinho de Harry, Sirius Black. Ele é de longe o meu personagem favorito. Apaguei-me muito a ele, da mesma forma como o Harry. Só por isso esse livro já é o meu favorito, e como se não bastasse toda a história do mesmo é fantástica.

E vale lembrar que, de certa forma, é este livro que encerra o primeiro arco da série. O fim da infância de Harry, Rony e Hermione. O fim da inocência. Já neste volume percebemos um amadurecimento da parte dos três, mas daqui para frente isso fica ainda mais nítido.


 “Nem tudo é o que parece” é uma das lições deste volume.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.