A 5° onda, de Rick Yancey

Por onde devo começar esta resenha? Dizendo como fiquei apaixonada com a escrita do autor ou o fato de a trama reunir todos os ingredientes que ao meu ver são essenciais para um bom livro? Eu estou simplesmente encantada com todas as páginas da obra, como fiquei envolvida com os personagens e me vi, diversas vezes, dentro do enrendo. São essas sensações que uma boa trama deve despertar no leitor e A 5° onda fez seu papel direitinho.

“Talvez eu seja a última, mas sou a última que ainda está de pé. Eu sou a que vou mostrar o rosto para o caçador sem rosto na floresta junto a uma rodovia abandonada. Eu sou aquela que não vai fugir, não vai ficar, mas vai enfrentar.  Porque, se eu for a última, então eu sou a Humanidade. E se essa for a última guerra da Humanidade, então eu sou o campo de batalha.

Título: A 5° onda
Autor: Rick Yancey
Gênero: Ficção científica
Páginas: 368
Editora: Fundamento
Avaliação: 
*(favorito)

Depois da primeira onda, só restou a escuridão. Imagine o mundo sem toda a sua tecnologia. Lampadas, televisores, celulares, automóveis, tudo o que você imaginar apagou. Um blackout geral. A segunda onda não trouxe apenas diversos tsunamis para as áreas litorâneas, mas também o pânico, violência e a corrida pela sobrevivência. Somente os que tiveram sorte sobreviveram até então. Já o terceiro ataque, a terceira onda, foi uma peste, a doença carregada pelos pássaros. A quarta trouxe consigo um ensinamento: não confie em ninguém. E agora, o que devemos esperar dA Quinta onda? Ela está começando.

Alienígenas como estamos acostumados a ver em filmes, verdes e com peles gelatinosas, são motivos de extrema piada. Por quê? Simples, ninguém sabe a verdadeira aparência dos Outros, como são chamados. Não houve contato, muito menos aparições. Em um dia como outro qualquer o seu veículo, lê-se nave mãe, pairou no ar, em um ponto totalmente estratégico para que todos pudessem ver e se questionar o que era aquilo. Qual o seu objetivo? Exterminar, torturar, ou colonizar? Pouco se sabe.

O livro é narrado pelo ponto de vista de diversos personagens, mas eu confesso, o mais marcante, aquele que você espera capítulo após capítulo, é o de Cassie. Além de ter um nome nada comum - Cassie não é apelido de Cassandra e sim de Cassiopeia, a constelação -, ela também vive algo totalmente inesperado, sobrevive a todas as ondas que atingiram o mundo até então. Para você ter uma noção de tamanha sorte, 97% dos seres humanos não estão mais presentes.

A garota presenciou a chegada, o blackout, as ondas, a peste e literalmente a queda da sociedade como conhecemos. Foi na terceira onda que Cassie perdeu a mãe, deixando-a responsável por cuidar do emocional de seu pai e irmão, Sammy. Como nem tudo são flores, a quarta onda chega durante a procura por um porto seguro e ela se vê sozinha, escondida na escuridão da floresta, sem poder confiar em ninguém. Sua única certeza: precisa encontrar Sammy o mais rápido possível.

Em uma realidade onde a regra é matar e só depois questionar, qualquer pessoa é suspeita. Isso é o que Cassie acredita até encontrar Evan Walker, que após salvar sua vida se oferece para ir em busca de seu irmão. Mas, será que ela pode confiar nele?

Entre os capítulos alternados também temos Zumbi. Ele está morrendo pela praga e ao ser raptado é totalmente curado. Mas, como isso é possível? O garoto foi levado para um quartel general, onde as crianças e adolescentes são treinados para lutar neste novo lugar que é a Terra. E é basicamente isto que vemos em suas histórias, um  esquadrão formado por crianças descobrindo os segredos da guerra. Como isso pode ter ligação com Cassie? Ah, você verá!

Tal divisão foi essencial e nos deixa ainda mais presos a história. Este poderia ter sido um ponto negativo? Não aqui. Os pontos de vista diferentes agregam ainda mais curiosidade ao longo das páginas, tornando os Outros um mistério cada vez maior. Assim como os personagens, o leitor não consegue confiar em ninguém e a única conclusão a ser tomada é: nada é o que parece.

Rick Yancey escreveu o livro de forma magnífica. Todas as descrições são ótimas, há cenas de humor nos pontos e em doses corretas, criou personagens cativantes, os momentos de tensão realmente são tensos, e ainda há uma pitada de romance, também na medida certa. Ficou impossível não ler rapidamente e desejando logo o final.

Mesmo assistindo ao filme primeiro a história não perdeu seu encanto e como em qualquer adaptação, há diversos pontos diferentes. A obra está super recomendada por mim para todos aqueles que gostam de uma ótima aventura. E eu garanto, a sua sequência também está de perder o fôlego.

Correio literário, primeiro bimestre #3

Voltamos com a terceira e última postagem reunindo os meus achados do primeiro bimestre de 2017. Foram mais de vinte livros adquiridos e várias leituras realizadas até então. Assim como o post anterior, irei abordar uma pequena sinopse e as minhas expectativas, ou experiências, com as leituras. Então, vamos a mais indicações?


A 5° onda: Depois da primeira onda, só restou a escuridão. Depois da segunda onda, somente os que tiveram sorte sobreviveram. Depois da terceira onda, somente os que não tiveram sorte sobreviveram. Depois da quarta onda, só há uma regra: não confie em ninguém.                                                                                                                                                                                                                                                                                                   
Agora a quinta onda está começando... Cassie está sozinha, fugindo dos Outros. Ela vive em uma Terra devastada, onde qualquer pessoa, até mesmo uma criança, pode ser o inimigo. Um inimigo que parece humano, que espreita em todos os lugares, pronto para aniquilar os últimos sobreviventes. Permanecer sozinha é permanecer viva - Cassie acredita nisso até encontrar Evan Walker. Mas será que ela pode confiar nele? Será que ele pode ajudá-la a resgatar o irmão?                                                                                                                                                      
Chegou o momento em que Cassie deve escolher entre a esperança ou o desespero, entre enfrentar os Outros ou se render ao seu destino, entre a vida ou a morte. Entre desistir ou lutar!
O mar infinito: Cassie Sullivan e seus amigos sobreviveram às quatro ondas de destruição provocadas pelos Outros. Agora, com a raça humana quase exterminada e a 5ª Onda encobrindo a Terra, os sobreviventes devem escolher: encarar o inverno e esperar o retorno de Evan Walker ou partir à procura de abrigo antes que o inimigo os alcance. Porque o próximo ataque é mais do que possível – ele é inevitável.                                                                                                                                                        
Os homens ainda não viram as profundezas até onde os Outros podem descer nem os Outros viram a que alturas a humanidade pode se erguer. Esta é a derradeira batalha entre vida e morte, esperança e desespero, amor e ódio.
Já realizei as leituras e ambos foram para a minha lista de favoritos. Não consigo encontrar as palavras para explicar como estas obras são maravilhosas, com um ritmo totalmente arrebatador. Não recomendo começar sem ter as continuações em mãos. Eu, por exemplo, me encontro ansiosa para com o terceiro volume.

Espera: Grace e Sam devem lutar para ficar em juntos. Para ela, isso significa desafiar seus pais e manter um segredo muito perigoso a respeito de seu próprio bem-estar. Para ele, isso significa lutar contra seu passado de lobisomem... E descobrir uma maneira de sobreviver no futuro. Adicione a essa mistura um novo lobo chamado Cole, cujo passado tem o potencial de destruir toda a matilha, e Isabel, que já perdeu seu irmão para os lobos, e, apesar disso, se sente atraída por Cole.
Perdido: Cole St. Clair veio para a Califórnia por um único motivo: reconquistar Isabel Culpeper. Ela havia fugido de sua vida destruída e vazia, e a destruiu ainda mais. Não é simplesmente uma questão de querer. Cole precisa dela.
Enquanto isso, Isabel tenta reconstruir sua vida em Los Angeles, mas sem sucesso. Ela é capaz de fingir tão bem quanto todos os outros falsos da cidade, mas para quê? Cole e Isabel dividem um passado que jamais pareceu ter futuro. Eles podem se amar ou se destruir. A única certeza é que jamais se esquecerão.
Espera é o segundo volume e Perdido o quarto da série Os Lobos de Mercy Falls. Infelizmente eu ainda não possuo os outros, Calafrio e Sempre, porém vontade de adquiri-los é o que não falta. Minhas expectativas com a leitura destes são bem altas, pois só vejo elogios por ai.

Insurgente: Na Chicago futurista criada por Veronica Roth em Divergente, as facções estão desmoronando. E Beatrice Prior tem que arcar com as consequências de suas escolhas. Em Insurgente a jovem Tris tenta salvar aqueles que ama – e a própria vida – enquanto lida com questões como mágoa e perdão, identidade e lealdade, política e amor.
Este também é um segundo volume, porém da série Divergente. Meu contato com a história se deve apenas pelos filmes, os quais, por incrível que parece, eu gosto. Preciso começar a leitura em breve, pois sou a louca das distopias.

Estudo independente: Cia Vale tem dezessete anos e tem tudo o que sempre sonhou: um amor perfeito, um lugar na universidade e um futuro como uma das líderes da Comunidade das Nações Unificadas. No entanto, apesar de todos os esforços do governo para apagar a memória de Cia, ela ainda lembra o que aconteceu. Ela precisa escolher entre ficar em silêncio e proteger a si mesma e as pessoas que ama ou expor o Teste e o que ele na verdade é, um programa assassino que deve ser impedido. O futuro da Comunidade depende dela.
Sim, outro segundo volume e neste caso, novamente, eu se quer tenho o primeiro. Sou a louca das promoções e quando vejo um livro por 5 reais nada me impede, confesso! Comprei esse livro no pulo, sem imaginar o que o seu antecessor debate, mas gostei muito da sinopse. Me ganhou por completo e após ler mais sobre, a vontade de conhecer toda a trilogia O teste só aumentou.

A joia: Joias significam riqueza, são sinônimo de encanto. A Joia é a própria realeza. Para garotas como Violet, no entanto, a Joia quer dizer uma vida de servidão. Violet nasceu e cresceu no Pântano, um dos cinco círculos da Cidade Solitária. Por ser fértil, Violet é especial, tendo sido separada de sua família ainda criança para ser treinada durante anos a fim de servir aos membros da realeza.                                                                                                                                                                                                                                                                                                      
Agora, aos dezesseis anos, ela finalmente partirá para a Joia, onde iniciará sua vida como substituta. Mas, aos poucos, Violet descobrirá a crueldade por trás de toda a beleza reluzente - e terá que lutar por sua própria sobrevivência. Quando uma improvável amizade oferece a Violet uma saída que ela jamais achou ser possível, ela irá se agarrar à esperança de uma vida melhor. Mas uma linda e intensa paixão pode colocar tudo em risco!
Ansiosa define o meu estado de espírito em relação a esta obra. Meio impossível não ficar assim após a leitura desta sinopse, correto? Eu, literalmente, só leio elogios. O fato de possuir o livro físico e digital só me deixa mais feliz. Espero poder incluir na minha meta literária de julho. Este também faz parte de uma série intitulada A cidade solitária.

Perfeitos: Tally finalmente é perfeita. Agora seu rosto está lindo, as roupas são maravilhosas e ela é muito popular. Mas por trás de tanta diversão – festas que nunca terminam, luxo e tecnologia, e muita liberdade – há uma incômoda sensação de que algo importante está errado.                                                                                                                                                                                                                                                
Então Tally recebe uma mensagem, vinda do seu passado, que a faz se lembrar de qual é o problema na sua vida perfeita. Agora ela precisará esquecer o que sabe ou lutar para sobreviver – as autoridades não pretendem deixar que alguém espalhe esse tipo de informação. 
Deste Correio literário esta é a única obra que já iniciei a leitura. Infelizmente me encontro decepcionada em seus 37% lidos até então. A narrativa está chata e cansativa e eu espero do fundo de meu coração que melhore, pois eu amei o primeiro volume, Feios.

Estes livros em questão foram comprados em uma mega liquidação na livraria do shopping da minha universidade, todos estavam por cinco ou dez reais. Deu para entender a minha loucura ao comprar livros de diversas séries, sem ao menos possuir os outros? Espero que sim. 

Agora é a vez de vocês, já leram algumas dessas obras? O que acharam das sinopses? Me conte tudo nos comentários :)

Tema do mês: Belas letras

Eu estava com bastante saudade de escrever esse quadro que tanto amo, isso mesmo, o Tema do mês. Para quem não lembra, ou nem ao menos conhece, ele reúne de quatro a três postagens mensais, todos os sábados, com conteúdo referente à escolha do mês.

Em junho resolvi fazer um pouco diferente e defini uma meta literária com os livros da Belas Letras, que é parceira aqui do blog. Até o momento eu já recebi os livros "Morando sozinha", "O papai é pop", que foram as minhas escolhas, "Mãe sem manual" e "Vai lá e faz" que são os últimos lançamentos da editora.


Mãe sem manual
A gravidez é sinônimo de alegria e bem-aventurança instantâneas, está escrito na página zero do manual das mães das novelas, filmes e contos de fada. Você vai reluzir, cintilar, sentir-se plena e absoluta desde o momento em que descobriu que vai colocar uma criança nesse mundo. Mas pode não ser bem assim. Como estamos entre amigas, vamos falar a verdade aqui. Este é um antimanual: foi criado para mostrar que nem sempre há certo ou errado quando o assunto é maternidade. Para desconstruir (e rir) dos mitos que às vezes nos fazem sentir inseguras, culpadas ou nos fazem perder muitas noites de sono à toa. Este livro é um abraço apertado em cada mãe que às vezes erra, sempre querendo acertar, e às vezes acerta, tendo certeza de que, no fundo, está errando.


Vai lá e faz
O mundo está cheio de histórias de empreendedores que começaram do nada. Tiago Mattos, um dos maiores futuristas brasileiros, formado pela Singularity – a universidade erguida no Vale do Silício pelo Google em parceria com a Nasa – vai te mostrar neste livro que, sim, você pode criar uma empresa bem-sucedida do zero se tiver o mindset certo e entender como o mundo está mudando. Porque nunca foi tão fácil fazer. Nunca foi tão fácil fazer um livro, uma música, um filme, uma reunião dos colegas do ensino médio, uma passeata, um partido político, uma casa, um carro, uma declaração de amor, uma viagem ao redor do mundo. Nunca foi tão fácil fazer uma empresa. Nunca foi tão fácil entender que ninguém fará o mundo que você quer por você. Só você.


Morando sozinha
"No dia em que eu saí de casa o meu pai me disse: 'Filha, você tem dinheiro?’”. Morar sozinha pode ser incrível. Mas para ter uma vida independente é preciso se planejar também. Em Morando Sozinha, a blogueira Fran Guarnieri ensina o passo a passo para ser feliz e não depender mais de ninguém, contando suas histórias engraçadas e inusitadas desde que decidiu sair de casa, aos dezoito anos. Saiba aqui como desde escolher o melhor lugar para morar até a como resolver problemas do cotidiano. Trocar o botijão de gás a cada século ou ir à padaria para comprar só um pãozinho pode ser divertido e inesquecível!


O papai é pop
Então, você vai ser pai. Você sabe que precisa comprar uma casa maior. Tem que ter mais espaço pra criança. Tem que ter mais um quarto no apartamento. Tem que ter um berço novo, não pode ser aquele que a vizinha se dispôs a emprestar. Então você sabe que tem que trocar de carro, com seis airbags, no mínimo, ar-condicionado de fábrica. O que o humorista Marcos Piangers descobriu ao ser pai jovem é que essas preocupações não fazem diferença nenhuma. O que vale mesmo não é pagar pela melhor creche, se você é o último a buscar seus filhos. Não é comprar os melhores brinquedos, porque as crianças gostam mesmo é das brincadeiras que não custam nada. No fundo, o que importa mesmo, como os textos divertidos e emocionantes de Papai é Pop mostram, é você estar com seus filhos, não pensando em outra coisa, mas estar lá. De verdade.

No próximo sábado sai resenha da obra "Mãe sem manual". Todos os livros parecem ser ótimas leituras e estou bem ansiosa para conhecer mais sobre eles. Gostaram do tema deste mês?
Tecnologia do Blogger.